O Busto do Dr. Lopes

16 de Fevereiro de 2012

busto-de-jose-bernardo-lopes-2-2***

Boa tarde caros visitantes do “Marafações de uma Louletana”.

Componente importante da estatuária de Loulé, o busto do Dr. Bernardo Lopes situa-se no largo que também adoptou o nome deste ilustre farense mais louletano do que alguns louletanos de origem. Este “monumento” composto por bronze e mármore tem uma altura de 2, 53 metros e  é da autoria de Raul Xavier. Foi  inaugurado a 30 de Julho de 1961, precisamente no dia em que se completavam cinco anos sobre a morte do Dr. Lopes.

***

***

Mas quem foi Bernardo Lopes?

José Bernardo Lopes nasceu no Rio Seco, em Faro, no dia 5 de Março de 1882. Tirou o bacharelato em Filosofia e Matemática e concluiu, em 1910, o curso de Medicina pela Universidade de Coimbra. 

Abriu consultório em Loulé e logo nesse ano foi colocado no Partido Médico Municipal, passando mais tarde a delegado de Saúde, cargo que exerceu até 1952. Foi um dos mentores que, desde os primeiros anos até à década de sessenta do século XX, legaram dinheiro e materiais para a prestação de serviços e para remodelações do Hospital Concelhio de Loulé. 

Embora tenha desempenhado um papel de relevo na gestão pública camarária e concelhia desde 1926, foi presidente da Câmara de Loulé por pouco tempo e no triénio de 1953/56 foi presidente da Comissão Distrital da União Nacional. Bernardo Lopes faleceu a 30 de Julho de 1956, com problemas cardíacos.

Para além desta pequena ficha biográfica acrescento que os mais velhos ainda se recordam do Dr. Lopes e falam dele com carinho. Homem conhecido por ter sentido de humor e um “bom coração” pois foram muitos os que consultou sem receber remuneração. 

Por tudo isso e muito mais a sua imagem foi imortalizada através do bronze e lá do alto todos os dias nos continua a cumprimentar. 

 

Quanto ao escultor:

Nascido em Macau, Raul Maria Xavier ((1894 – 1964) foi discípulo do escultor Costa Mota (sobrinho). Desenvolveu uma obra escultórica de feição clássica, marcada pela serenidade e pela depuração das formas, tendo dedicado-se especialmente ao retrato em estátuas ou bustos.

É autor, de entre outras obras, dos leões da Escadaria e estátua da Prudência que se encontram no Palácio de Belém, em Lisboa, e do Busto de Rafael Bordalo Pinheiro que se encontra no Museu com o mesmo nome situado no Campo Grande em Lisboa. 

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *