***

Olá caros visitantes do “Marafações de uma Louletana”.

Hoje voltamos ao imaginário das gentes louletanas e vamos até à serrenha freguesia do Ameixial. A lenda, retirada da obra “As Mouras Encantas e os encantamentos do Algarve” de Ataíde Oliveira, refere-se a um sítio, próximo do sítio Pego dos Cavalos, designado precisamente Sítio da Moura.

“Diz a lenda que semanas depois da expulsão dos mouros, passou por aquele sítio um rapaz de vinte anos, filho de abastado proprietário daquela freguesia. Viu ele sentada à beira do caminho uma formosa mulher, alva como a espuma do mar, e de cabelos fartos e tão louros que pareciam madeixas de ouro. A mulher formosa costurejava (costurava) tendo ao seu lado uma tesoura de ouro.

O rapaz quedou-se pasmado para a mulher e para a tesoura. Então ela, sorrindo-se agradavelmente para o mancebo, perguntou-lhe:

- De qual gostas mais?

O rapaz mostrou não compreender a pergunta.

- Sim, repetiu ela, de qual gostas mais: de mim ou da tesoura?

Esta pergunta fez estremecer o rapaz que logo pensou que a mulher não era coisa boa. Por isso respondeu imediatamente:

- Gosto mais da tesoura.

A dama carregou a viseira e disse carrancudamente:

- És um parvo: perdeste a tua fortuna.

Disse estas palavras e desapareceu repentinamente, deixando o rapaz estupefacto.

Nessa noite contou ele a diversas pessoas o que lhe sucedera e todos à uma concordaram que o rapaz estivera em grande perigo de perder a alma pois que a dama era certamente uma moura encantada.”

Nos finais do século XIX, altura em Ataíde Oliveira fez a recolha desta e outras lendas, havia ainda aqueles que afirmavam que ali existia realmente uma moura e que de vez em quando ela era vista a costurar, a chorar ou simplesmente a meditar. 

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *