Bom dia caros visitantes do “Marafações de uma Louletana”.

Hoje este blog marafado inaugura mais uma rúbrica que visa dar a conhecer as freguesias que constituem o nosso Concelho.

E a marafada decidiu começar por uma das mais novas freguesias, a Tôr. Segundo o site da Câmara Municipal de Loulé:

“ Criada pelo Decreto-Lei nº 32/97, a nóvel freguesia da Tôr, resultante da divisão da freguesia de Querença em duas partes, dista de Loulé cerca de 7 km e situa-se no centro do Algarve. A divisão da freguesia de Querença era tradicional, com a Parte de Cima a corresponder à povoação de Querença e zonas limítrofes, e a Parte de Baixo a corresponder à povoação da Tôr e áreas adjacentes. Tal divisão sempre foi feita e reconhecida, desde tempos imemoriais, pela Ribeira da Benémola até à Ribeira das Mercês, seguindo-se nessa confluência uma linha direita, para sul, até ao limite da freguesia de São Clemente. A nascente dessa linha é a chamada Parte de Cima, ou seja, Querença; a poente da mesma linha fica a Tôr, desde sempre designada por Parte de Baixo. Há longos anos que os habitantes da Tôr aspiravam a que a sua localidade passasse a sede de freguesia. Já em 1931 foi esta velha aspiração assunto de debate nas Assembleias das Freguesias de então, tal como se comprova através da acta da Junta de Freguesia de Querença, datada de 21 de Fevereiro de 1931.

A agricultura, a indústria, o artesanato e o comércio formam a componente da vida económica da freguesia. A economia local, que antes se apoiava no sector agrícola com predominância nos frutos secos e produtos hortícolas, difruta agora de um novo panorama. A população jovem tem os seus empregos na cidade de Loulé e em Quarteira, Almancil, Vale de Lobo e Quinta do Lago, bem como na fábrica de cerâmica e nos estabelecimentos comerciais e industriais situados na localidade. Tem ainda a Tôr uma enorme riqueza subterrânea, pois encontra-se situada sobre um dos maiores aquíferos da Europa. A Tôr é dos principais abastecedores de água à cidade de Loulé.

No domínio do património cultural, são aspectos dignos de destaque e bem característicos da Tôr os moinhos de vento, os lagares, as noras, as eiras, os açudes, as minas de cal e de gesso e as grutas.”

A esta informação se pode juntar que as povoações pertencentes à freguesia da Tôr são, para além da povoação da Tôr propriamente dita, as seguintes: Funchais, Barcalinho, Cerro das Covas, Carrasqueira, Fojo, Vendas Novas de Tôr, Vicentes, Monte Guiomar, Pasmora, Monte das Figueiras de Baixo (não confundir com o Monte das Figueiras de Cima que pertence a Querença), Figueira de Baixo, Andrezes, Castelhana, Nora, Ponte da Tõr, Olival, Morgado da Tôr, Nergal, Mesquita e Gemica.

Na freguesia de Tôr existem diversos edifícios de património arquitectónico, os mais importantes são: Igreja matriz de Tôr, Cruzeiro, Ponte da Tôr (que até há muito pouco tempo se julgava romana mas não é), Casa acastelada e o Casarão do Morgado.

Na freguesia produzem-se diversos objectos de artesanato, os mais importantes são cestos de cana e verga e empreita de palma.

A freguesia de Tôr, apesar da sua pequenez possui um rica gastronomia: As principais especialidades gastronómicas são: Pápas de Milho, Ensopado de Galo, Cachola de porco, Jantares de grão de bico, Doces de figo e doces de amêndoa, filhós e folar de Páscoa.

As principais coletividades da freguesia de Tôr são: Associação de Caçadores e Agricultores da Tôr, Associação Social e Cultural de Tôr, Sociedade Recreativa Torense, Clube de Jovens de Tôr - Ghost Boy Club.

Nota:

1. A informação aqui apresentada foi retirada do site da Câmara Municipal de Loulé e da Wikipédia.

2. Visitem a Tôr e não se vão arrepender!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *