***

Bom dia caros visitantes do “Marafações de uma Louletana”.

O telheireiro ou telheiro, como é conhecido no Algarve, era, em simultâneo e por razões de afinidade laboral, ladrilheiro e tijoleiro também.

A fabricação do tijolo, do ladrilho e da telha, pelo processo da cozedura do barro, em forno tradicional (telheira), remonta ao período da ocupação romana na península.

Hoje, infelizmente, já nada ou pouco resta. Os velhos telheiros foram se extinguindo não resistindo à avançada tecnologia das cerâmicas modernas. Como testemunha da sua antiga existência apenas subsiste o desmoronado perfil dos fornos.

Loulé e a exploração de telheiras tradicionais tinham, entre si, uma ligação ancestral e profunda. Às portas e a Sotavento da Vila, a Campina de Cima constituía, por si só, um centro cerâmico por excelência, onde os telheiros do Ti André, do Pencarinha, do Tita, do Ti Lourencinho, entre outros, foram exemplo e testemunho derradeiro deste ofício em terras louletanas.

Trabalho sazonal e duro, a fabricação iniciava-se nos princípios de Março e terminava nos fins do Outubro. Desde o corte do barro, nos Barreiros, até à apresentação do produto no mercado, a fabricação do tijolo, do ladrilho e da telha impunha aos obreiros o cumprimento de um trabalho faseado que caracterizava este mester. Cortar, arneirar e amassar o barro com os pés era serviço digno de homens duros e calejados na arte.

Depois da secagem, ao sol, no vasto terreiro, a raspadura e, logo a seguir, a enforna e a cozedura. O arrefecimento e a desforma do material cozido, eram a fase derradeira deste ciclo.

A tonalidade adquirida pelo material durante a cozedura era um indicativo seguro para o manobrar do fogo. Os combustíveis usados para o aquecimento do forno eram os restos de madeira, a lenha e a esteva, a casca de amêndoa e o bagaço da azeitona.

Situado na área urbana da vila, laborando a céu aberto e no coração da Campina, o forno do Mestre Manuel Pintassilgo, o Blé Pintassilgo, foi o último telheiro a ser extinto.

 

Nota:

1. Na imagem os típicos tijolos de burro fabricados pelos telheireiros.

 

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *